Noel na telona

Leo Martinez -




Cena do filme com Camila Pitanga como Ceci.

Nosso blog entrevistou com exclusividade o ator Rafael Raposo(foto), carioca da Cidade de Deus, que interpretou o cantor no longa "Noel, o poeta da Vila" de 2006, com direção de Ricardo Van Steen.

Foto de Rafael Raposo

Feitiço - Como foi a seleção para um papel tão importante e característico?

RR - Esse processo foi até engraçado. Na verdade eu nem fui chamado pro papel do Noel inicialmente, eles me procuraram pro papel do Almirante (que era um dos mais novos).Eles estavam procurando atores em musicais de teatro e eu estava em cartaz com o Menino Maluquinho do Ziraldo. Mas quando eu fui pesquisar referências pro papel eu vi o Noel e na hora liguei pra diretora de elenco porque eu vi que o papel "era meu".


Feitiço - E depois de ter sido selecionado, como foi a preparação pro papel?

RR - De início eu realmente não entendia o que fazia uma pessoa ficar até de manhã na rua bebendo e tocando. Essa sede de boêmia toda. Aí eu que era de um grupo de teatro experimental resolvi verificar in loco como era. Ficava até de manhã na Lapa e ia pra Vila Isabel pra porta da casa dele ver como era viver aquilo. Eu tinha um pouco de receio de errar na mão e não agradar aos estudiosos de Noel. Gente como o Carlos Didier e o João Máximo.. Conversei muito com eles porque eu sabia que se eles acreditassem no meu Noel as pessoas acreditariam.


Feitiço - E como foi o o processo das gravações?

RR - Os biógrafos me passaram também uma imagem muito útil de que o Noel era uma espécie de Chaplin brasileiro, um anti-herói com aquela coisa de herói vagabundo. Teve também uma coisa que me emocionou muito nas gravações foi quando um senhor negro (que era da figuração fixa do longa) me abraçou chorando e dizendo: Noel, Noel... Era o "Delegado da Mangueira" que na época era um dos moleques que ficava no morro atrás do Noel e do Cartola. Ele me disse ainda que o Cartola só deixava a molecada entrar na casa dele quando o Noel ia..Para ver os dois cantando.



Feitiço - E hoje? O que ficou do Noel em você?


RR- Além do reconhecimento do pessoal da Vila Isabel (Rafael já saiu como destaque em 2007 e 2008 e ano que vem fecha o desfile da Vila novamente), o povo do samba me tem muito carinho.. É como se fosse um outro Rafael, é Noel pra cá, Noel pra lá... A Beth Carvalho só me chama de Noel... Rsrs. Na verdade o papel ficou muito marcado e eu até já perdi papéis em cinema porque os diretores ainda vêem o Noel em mim. Mesmo assim não há arrependimento algum. Sei que o filme fica mas o Rafael continua... E ano que vem mesmo estréio meu segundo longa "É proibido Fumar" da Anna Muylaert, com a Glória Pires e o Paulo Miklos. Dessa vez nada a ver com música. Meu papel é de uma bichinha chata...rsrs.


Assista a cena do filme em que Wilson das Neves canta Ultimo desejo:





Noel Rosa

Noel Rosa foi um marco na música popular brasileira. Um dos responsáveis pelo samba moderno e por ter trazido o samba as rádios, além de aproximar o samba do morro com o asfalto. Suas letras são atuais até hoje, assim como os textos de Shakespeare, pois tratam de temas inerentes ao ser humano. Apesar disso, o cantor, compositor, bandolinista, violonista ainda é pouco conhecido pela grande maioria das pessoas. Mesmo tendo vivido apenas 26 anos, o suficiente para deixar seu nome entre os maiores do samba carioca, Noel deixou mais de 200 composições gravadas. Entre elas inúmeros clássicos indiscutíveis como "Palpite Infeliz", "Feitiço da Vila", "Conversa de Botequim", "Último Desejo", "Silêncio de um Minuto", "Pastorinhas" e "Com Que Roupa?". Em 2010, se estivesse vivo, Noel Rosa completaria 100 anos. Para comemorar esta data decidimos fazer este blog em sua homenagem.

Enfeitiçados...

BannerFans.com

Feitiço do Noel no seu Site!

Quer colocar o Banner do Feitiço do Noel, igual ao acima, no seu Blog?
Copie o código e cole em uma nova caixinha de HTML-JavaScript, e pronto, um Banner que linka você direto com o Feitiço do Noel!

 
▲ TOPO ▲